quarta-feira, 24 de novembro de 2021

Relaxa, você não vai dar conta

 

Você não vai dar conta de todos os seus sonhos. Às vezes não dá conta nem da faxina de casa. Você não vai dar conta de todos os seus amores. Às vezes não dá conta nem de si mesmo. Você não vai dar conta de todos os seus afazeres e alguns terão que ser indefinidamente adiados. Mas relaxa. Você não precisa dar conta de tudo o tempo todo. A verdade é que ninguém dá conta. E às vezes a conta não fecha. Ou a gente não leva em conta que pode não dar conta. Porque pode. A gente é humano, cara. Relaxa. Você não vai dar conta. Respire. E refaça as contas.

segunda-feira, 15 de novembro de 2021

A Mulher de Escorpião

 

A escorpiana é um ser profundo. Possui um universo interior muito rico e as emoções sempre à flor da pele. Dona de uma intuição certeira, ela sabe exatamente onde dói a ferida e pode tanto amenizá-la quanto cutucar, dependendo do grau de consideração que nutrir pela pessoa. Discreta, prefere se manter longe dos holofotes e guardar segredo sobre sua vida pessoal e seus sentimentos.

Não pense que ela é feita apenas de rancor e planos de vingança: isso acontece apenas quando é tremendamente magoada e não consegue lidar com a negatividade dos próprios afetos. Na verdade, ela pode ser uma excelente amiga e companheira, muito leal, corajosa e justiceira. Basta incentivar seu melhor lado.

Sua tendência controladora pode prejudicá-la se não souber ser flexível. Porém, não há ninguém melhor para compreender e consolar qualquer coração partido. É capaz de se regenerar muito rápido de situações difíceis: renasce das cinzas como uma Fênix. É preciso muita intensidade para amar uma escorpiana.

terça-feira, 9 de novembro de 2021

Toda Escrita


Toda escrita é
uma leitura
uma releitura
uma reescrita

Toda escrita é
uma representação
uma expressão
uma opinião

Toda escrita é
um mundo
um submundo
um sobremundo

Toda escrita é
uma paixão
breve ou eterna
no coração do autor

Toda escrita é
uma vida
que nasce e morre
na imaginação do leitor

quinta-feira, 4 de novembro de 2021

Sobre quem não gosta da gente

 

É como diz aquele ditado: “Se nem Jesus agradou a todos, quem sou eu pra agradar?”. Eu, como sagitariana good vibes que costuma achar todo mundo “gente boa”, tenho certa dificuldade em aceitar isso. Afinal, por que Fulano não gostaria de mim? Será que fiz alguma coisa? A verdade é que, muitas vezes, não precisamos fazer nada, a pessoa não gosta da gente de graça mesmo. É o famoso “ranço”. Pode ser recíproco ou unilateral.

Participo de muitos grupos e, de vez em quando, rola uma treta. É inevitável. Pessoas têm suas questões e frequentemente as despejam nos outros. Ruídos na comunicação, mal entendidos, tomar algum comentário como ofensa pessoal são os motivos principais de discussões e desavenças. Acontece nas melhores famílias ou, no caso, nos melhores grupos de amigos.

Não há muito o que fazer a não ser aceitar que nem tudo é perfeito e nem todo mundo é legal, mas é possível nos cercarmos de pessoas em quem confiamos e por quem nos sentimos acolhidos. O que certamente não dá pra fazer é mudar o nosso jeito de ser pra agradar uns ou outros. Isso é artificial e autodepreciativo. Sejamos autênticos e procuremos a nossa turma. Na mesma proporção em que há pessoas que não gostam da gente de graça há outras que gostam também de graça. Não precisamos fazer esforço pra ser aceitos e queridos, é algo natural. Se o ranço é livre, o amor também é. E esse é o caminho que vale a pena seguir.

domingo, 31 de outubro de 2021

Azul piscina

 

Seus olhos azul piscina
Não cansam de me fitar
Me porto como menina
Pra neles mergulhar

Seus olhos tão fugidios
Não vinham me procurar
Por que tão arredios
Eu só queria te olhar

Naquela sexta-feira
Encontrei a solução
Você tava de bobeira
Te chamei do portão

Vamo dar uma volta
Rapidinho
Me pega e não me solta
Cachorrinho

Você topou
Nem foi difícil
Será que pensou
Que era o meu vício

Seus olhos assustados
Pedindo clemência
Os pulsos atados
Sentindo ardência

A boca querendo gritar
Com fita isolante
O corpo todo a suar
Foi tão excitante

Te disse pra não ter medo
Sua pupila dilatou
Te contei o meu segredo
E você nem ligou

Essa incompreensão
Me magoou
Parti logo pra ação
Você não gostou

Mas valeu a pena
Agora sim
Resolvi meu dilema
Te tenho só pra mim

Seus olhos azul piscina
Mergulhadinhos no pote
Você é a minha sina
Meu amuleto da sorte

segunda-feira, 25 de outubro de 2021

Sobre prazer e dever

 

Hoje em dia, somos muito cobrados a ser produtivos o tempo inteiro. Afinal, tempo é dinheiro e o dinheiro move o mundo capitalista. Mas, claro, todo trabalhador tem direito a seu momento de lazer. E o que fazemos com isso? Inventamos outras atividades. Aprender um novo idioma, fazer aquele curso de costura, cozinhar, etc. Não que isso seja ruim, porém será que sobra espaço na nossa agenda pra de fato descansar?

Outro dia ouvi uma podcaster dizendo que era contra o conceito de “ócio criativo”. Afinal, não precisamos criar nada no nosso ócio. E viva o direito de ver porcaria na TV ou simplesmente ficar deitada olhando pro teto na nossa folga! Eu concordo, mas na base do “faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço”. Porque sou mestra em transformar lazer em dever.

Tenho tempo livre? Oba, vou ler! E depois vou resenhar o livro pro Insta. Ou então vou estudar, aproveito e adianto aquele exercício de italiano... Mas posso também ver um filme. Pra debater com o pessoal. Ou pra treinar o inglês. E por que as coisas precisam ter sempre um porquê? Quando me dou conta, a vida está tomada de tarefas. Não sei mais o que faço por puro prazer, só pra mim, sem uma razão lógica.

Trabalhar, estudar, socializar, tudo isso é importante. Só que a vida precisa de pausas. É aquela comidinha gostosa que a gente aprecia, o banho demorado, o cochilo da tarde, as conversas à toa com os amigos que dão um alívio e recarregam a nossa energia da semana. É preciso dar um tempo do utilitarismo e viver com mais leveza e descompromisso. Só um pouquinho, vai. Arranja um espaço na agenda. Vai valer a pena.

segunda-feira, 18 de outubro de 2021

A Mulher de Libra

 

A libriana é um ser sociável. Ainda que nem sempre consiga, vive buscando o equilíbrio em todos os setores da sua vida. É racional e prática com suas questões, mais mental do que emocional. Porém, também possui uma grande sensibilidade. Para ela, se relacionar é fundamental. Por isso, vive cercada daqueles que ama e quer proteger.

Não brigue com uma libriana por ser indecisa e insegura em determinados momentos. Ela está apenas procurando escolher a melhor opção não só para si, mas para todos. Se preocupa muito com a harmonia dos grupos que integra. Portanto, detesta confusão, pois isso a desestabiliza.

Famosa por seus “contatinhos”, isso não quer dizer que seja infiel. Quando se apaixona, se entrega de verdade, e, no fundo, sabe quando escolheu o caminho certo. Pode ser uma ótima amiga, sempre com pessoas novas pra apresentar, sorridente, elegante (possui um apurado senso estético) e contemporizadora. É preciso muita harmonia para amar uma libriana.